Blog do Kramer
Música, cinema, literatura, comportamento e afins.

Pink Floyd

Pink Floyd – The final cut

Pink Floyd – The final cut

Ano de lançamento: 1983

Originalmente idealizado para ser a trilha sonora do filme “The Wall”, com o subtítulo de “A requiem for the post war dream” (uma elegia para o sonho do pós-guerra), evoluiu para se tornar mais um álbum conceitual contra a guerra.

Contra-capa

O álbum é divido em duas histórias separadas que se intercalam. Uma parece ser a visão de Waters sobre os problemas do mundo atual (na época em que foi gravado), como por exemplo  a Guerra das Malvinas, além de críticas a Margaret Thatcher, Ronald Reagan e Menahem Begin, entre outros. Waters expõe também a sua visão do mundo e termina o álbum com um holocausto nuclear que teme poder vir a acontecer.

Há também uma pequena história sobre a paranóia de um veterano da II Guerra Mundial presumivelmente por ter se envolvido no bombardeamento a Dresden. Vale lembrar que o pai de Waters foi morto na II guerra e sua inconformidade com essa questão se reflete nas músicas que compôs também neste álbum.

Roger Waters

Foram feitos vídeos clips de quatro canções do álbum, incluindo Not Now John, a mais veiculada pelas rádios na época em que saiu.

Com certeza um dos discos mais controversos do Floyd. Todas as letras e canções são da autoria de Roger Waters, num período em que sua relação com os outros membros já se parecia desgastada. Na contracapa do disco se lê: “Uma obra de Roger Waters, executado por Pink Floyd”. Nesse disco Richard Wright foi substituído por Andy Bown. Michael Kamen, além de ajudar nos pianos,  fez os arranjos e a regência das partes orquestradas. O saxofonista Raphael Ravenscroft (que já gravou com Marvin Gaye, Alvin Lee, Robert Plant, ABBA, Mike Oldfield e Phil Collins) fez esplendida participação em 2 músicas.

Vídeos clips

The final cut recebeu críticas que falavam do “egocentrismo” de Waters, e que seriam “restos” de composições do álbum anterior “The wall”, mas para muitos fãs é considerado um dos melhores trabalhos, com excelentes músicas  como The post war dreams e the final cut que invocam o lado agressivo e ao mesmo tempo suave e requintado da música de Waters. Há muito sentimento em forma de poesia e música. Os solos de guitarras de Gilmour são emocionantes como sempre. A produção do álbum como um todo é impecável.

Comecei a ouvir o The final cut quando foi lançado, e quanto mais ouço, mais gosto.

Clip “The final cut”: http://www.youtube.com/watch?v=JEocb9emp_c

Meu encontro com o mestre em 2013

Encontro com Roger 2013

Clip “The post war dreams”: http://www.youtube.com/watch?v=_g9ysArxCdk

Onde encontrar: http://www.buscape.com.br/

Minha coleção "final cut"

Minha coleção “final cut”

2 Respostas to “Pink Floyd”

  1. É um ótimo disco! Todas as letras são ricas em detalhes (o forte de Waters!). É muito bem produzido e Gilmour fez lindos solos.
    É evidente que Wright fez muita falta!!! E a participação de Mason é morna.
    Mas mesmo assim The Final Cut tem um brilho intenso.
    Pra mim, “Two Suns In The Sunset” é a melhor faixa.

    Parabéns pelo blog, só conheci agora pelo link no Whiplash.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: